27 de Novembro de 2021 | PREMIUM

Edição de Sábado: A Alemanha quer Reinventar a Esquerda

A Alemanha é parlamentarista — o Poder Executivo, o conjunto de pessoas que governa, sai do Bundestag, equivalente à Câmara dos Deputados brasileira. Assim, a cada ciclo eleitoral, quando os deputados são eleitos, o partido com mais cadeiras é convidado a se juntar com outras legendas de forma que, numa coalizão, tenham pelo menos metade mais um dos votos. Não é uma arte simples compor assim — na Alemanha, não tem Centrão. Cada partido tem seu programa escrito, uma visão prática de como sua ideologia se aplica na hora de governar. Assim, a coalizão nasce de um novo programa de governo com o qual todos concordem, que de alguma forma misture os projetos de quem a compõe. Na semana que começa em 6 de dezembro, o advogado Olaf Scholz substituirá a premiê Angela Merkel que está há 16 anos no comando do governo alemão. A aliança de seu Partido Social ... (Leia mais)

26 de Novembro de 2021

Congresso decide esconder beneficiários do orçamento secreto

Prezadas leitoras, caros leitores — No Brasil, ninguém ia chamar de esquerda. Mas os alemães estão convictos de terem elegido um governo de centro-esquerda na aliança encabeçada pelo futuro premiê Olaf Scholz, que reúne seu Partido Social-Democrata com o Partido Verde e o Partido Liberal. É, diz o apelido, a coalizão do semáforo. O vermelho social-democrata, o verde e o amarelo dos liberais. Não será trivial cumprir as promessas que esta coalizão faz. Quando este trio do semáforo se reúne, de cara vem a promessa de que não haverá impostos novos, um teto de gastos será mantido, o salário-mínimo será aumentado em 25% e a energia alemã será 80% limpa até 2030. Tampouco foi trivial construir esta coalizão: mais de 300 especialistas dos três partidos se sentaram por dias, semanas, até encontrar um programa que fizesse sentido para todos. Na Alemanha, governos se levam a sério. Quando um gasto é ... (Leia mais)

25 de Novembro de 2021

Moro em terceiro, Pacheco candidato, a eleição engrena

Em apenas uma semana, as peças da eleição se mexeram rapidamente. Recém-lançado ao Planalto, o ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro apareceu forte na primeira pesquisa conhecida, do PoderData, e é o candidato com menor diferença de votos para o ex-presidente Lula no segundo turno. A União Brasil, que nasce do encontro entre DEM e PSL e tem direito à maior cota do Fundo Eleitoral, já acena querendo a vice de Moro. Tendo percebido o movimento, o PSD se apressou ontem ao lançar seu candidato, o presidente do Senado Rodrigo Pacheco, que tenta emplacar a ideia de que é um novo JK. Nem todos, porém, têm habilidade de se mover. Os tucanos já estão partindo para o terceiro app e ainda não conseguiram realizar suas prévias. Se o segundo turno das eleições de 2022 fosse hoje, Lula (PT) venceria em todos os cenários, mas teria mais trabalho contra Moro (Podemos), segundo ... (Leia mais)

24 de Novembro de 2021

Lira e Pacheco lutam contra transparência em verbas

Prezadas leitoras, caros leitores — Por que não aproveitar nossa promoção de Black Friday para dar o Meio de presente? Você certamente conhece alguém que pode se beneficiar com um compacto diário do noticiário e se enriquecer com nossas Edições de Sábado. Ano que vem, 2022, é chave para o futuro do Brasil: é a oportunidade que temos de tirar, do Planalto, quem nunca deveria ter chegado. O atual presidente da República não é um democrata. Se ele for reencaminhado ao cargo, a democracia estará em perigo. Vai ser também uma guerra constante com banhos de desinformação. O Meio, ao resumir todos os dias o que há de importante para saber, é uma solução neste ambiente de ataque com mentiras ao regime democrático. O Meio se sustenta, fundamentalmente, pelas assinaturas de vocês. Leitores. Esta semana, pela primeira e única vez neste ano, a assinatura anual do Meio sai por R$ ... (Leia mais)

23 de Novembro de 2021

Sem solução clara para prévias, PSDB racha

Errou feio quem esperava para ontem uma solução pacificando as prévias do PSDB. Após uma reunião que tomou boa parte da manhã, o partido soltou uma nota anunciando que concluirá até domingo a votação para escolha do futuro candidato ao Planalto. E mais, se os problemas no aplicativo que levaram à suspensão das prévias no domingo passado não forem resolvidos até hoje, contratará uma empresa externa. (Globo) Em vez de acalmar, a nota esquentou os ânimos. O governador Eduardo Leite (RS), único dos candidatos presente na reunião, contestou o acordo, dizendo que “a cada dia que passa esse processo vai perdendo a sua credibilidade”. Já seus adversários, o governador de São Paulo, João Doria, e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio, elogiaram a decisão do partido. “Qualquer alternativa que não seja a rápida conclusão da votação é um desrespeito à vontade da maioria”, afirmou Doria. (Folha) O governador paulista não ... (Leia mais)

22 de Novembro de 2021

Após fiasco, tucanos discutem o que fazer com prévias

Prezadas leitoras, caros leitores — Temos uma surpresa para vocês. É semana de Black Friday também cá no Meio. Pois a assinatura premium anual está saindo por R$ 79. O preço habitual, que já tem desconto, é de R$99. Aproveite agora. Assine o Meio, apoie nosso jornalismo e ainda economize. Vá. Só R$79. Não tem como perder. =) — Os editores Compartilhe Tweet Compartilhe Após fiasco, tucanos discutem o que fazer com prévias Era para ser uma festa democrática, mas as prévias do PSDB ontem acabaram suspensas, o que agravou as tensões entre o governador gaúcho Eduardo Leite e seus adversários, o governador de São Paulo, João Doria, e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio. A votação deveria ter acontecido entre 7h e 15h, mas a instabilidade do aplicativo pelo qual votariam mais de 44 mil filiados fez com que o prazo fosse estendido até as 18h e, depois, que ... (Leia mais)

20 de Novembro de 2021 | PREMIUM

Edição de Sábado: Após a Pandemia

A pandemia vai passar. Houve diversas ao longo da História, e elas passaram, fosse por melhores condições de saúde e higiene, pelo desenvolvimento de vacinas e remédios ou por ações de contenção. Mas o fim da pandemia significa que vamos nos livrar da covid-19 e de seu causador, o vírus sars-cov-2? Muito provavelmente não, na opinião de Carlos Machado, coordenador do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Para o especialista, a probabilidade de o vírus continuar circulando mesmo após o fim da pandemia é muito alta, entre outros motivos, porque as vacinas – ainda a mais importante e eficaz ferramenta contra a doença – não o eliminam nem impedem completamente sua transmissão. “O que as vacinas fazem, e isso é muito importante, é reduzir de forma acentuada os sintomas mais graves e os óbitos pela doença, embora eles eventualmente possam ocorrer”, diz Machado. “Por isso, e porque a eficácia ... (Leia mais)

19 de Novembro de 2021

Governo escondeu dados de desmatamento da COP26

Prezadas leitoras, caros leitores — A pandemia não acabou. Nós sabemos disso. Mas conforme o índice de vacinados aumenta, mesmo com novos pequenos surtos aqui e ali no mundo, vai parecendo que ela está chegando ao fim. Ou quase: a aprovação da terceira dose para todos mostra que a covid-19 deverá se tornar uma doença sazonal para a qual nos vacinaremos com recorrência, possivelmente uma vez por ano. Empresas já começam a se movimentar para chamar de volta seus funcionários ao escritório. Do Vale do Silício a São Paulo, estão encontrando resistência. Muita gente gostou de trabalhar em casa — não quer mudar. Portugal acaba de regular o home office. Não ficará sozinho — mas as fronteiras entre hora de trabalho e tempo pessoal, que já andavam tênues, desapareceram. Há um novo estilo de vida por nascer e todo mundo sente isso de uma forma ou outra. Enquanto isso, a ... (Leia mais)

18 de Novembro de 2021

PL sacrifica acordos regionais para ter Bolsonaro

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, conseguiu dobrar a resistência de diretórios regionais e recebeu, numa reunião dos dirigentes da legenda, carta branca para acertar a filiação do presidente Jair Bolsonaro e de seu grupo político à legenda. A cerimônia de filiação estava marcada para o dia 22, mas foi adiada por divergências em relação a alianças regionais. “A gente não vai aceitar, por exemplo, São Paulo apoiar alguém do PSDB”, disse Bolsonaro no fim de semana, em Dubai. Ao sair da reunião, o senador Jorginho Mello (SC) disse que o partido não vai apoiar qualquer candidato local que não esteja alinhado ao presidente. (g1) Ao sacrificar as alianças locais, Costa Neto mira na ampliação da bancada federal, por conseguinte, dos fundos partidário e eleitoral. Ele cita o exemplo do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que teve mais de um milhão de votos em 2018. Hoje o PL tem 42 ... (Leia mais)

17 de Novembro de 2021

Terceira dose agora é para todos os adultos

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou ontem mudanças importantes no Programa Nacional de Imunização (PNI) contra a covid-19. O intervalo mínimo para aplicação da terceira dose foi reduzido de seis para cinco meses, e essa dose de reforço passou a ser recomendada para todos os adultos. Além disso, pessoas que tomaram o imunizante da Janssen, originalmente em dose única, precisarão de uma segunda aplicação e, cinco meses depois, do reforço. Confira quem pode tomar a terceira dose e quando. Embora não impeça a aplicação do reforço, pegou mal o fato de o anúncio ter sido feito à revelia da Anvisa. Em nota, a agência disse não ter sido consultada, reconheceu que “os dados disponíveis até aqui sugerem diminuição da imunidade em algumas populações, ainda que totalmente vacinadas”, mas argumentou que países como EUA e Israel consultaram as agências reguladoras antes de tomarem essa decisão. (CNN Brasil) Mas não resta ... (Leia mais)

16 de Novembro de 2021

Inseguro, Bolsonaro se afasta do PL e filiação é dúvida

Dada como certa na semana passada, com direito a data marcada, a filiação de Jair Bolsonaro ao PL foi adiada por três semanas, prazo para, nas palavras do presidente, “casar ou terminar o noivado”. Um dos motivos do atrito é que Valdemar Costa Neto, presidente do partido, já havia firmado um acordo para apoiar o tucano Rodrigo Garcia para o governo de São Paulo. Garcia é vice de João Doria, que disputa nas prévias do PSDB a chance de concorrer à presidência. Bolsonaro não admite o apoio a um afilhado do adversário. (Poder360) Mas esse não é o único problema. Em pelo menos cinco estados do Norte e Nordeste — Amazonas, Ceará, Piauí, Alagoas e Pará — o PL tem alianças locais com adversários do governo, como o governador petista do Piauí, Wellington Dias. Esses grupos querem autonomia para montar suas coligações independentemente da eleição presidencial. (Globo) Painel: “O presidente ... (Leia mais)

13 de Novembro de 2021 | PREMIUM

Edição de Sábado: A montanha-russa política do Chile

Na última pesquisa realizada no Chile pela Atlas Inteligência, o candidato de extrema-direita José Antonio Kast apareceu liderando a corrida para as eleições do próximo dia 21 de novembro, com 30,1% das intenções de voto. No início de setembro, há apenas dois meses, tinha dificuldades de encostar nos dez pontos percentuais. Kast, o filho caçula de um oficial nazista que chegou fugido ao país nos anos 1940, vem sendo tratado na imprensa latino-americana como o ‘Bolsonaro chileno’. Sua repentina ascensão é uma surpresa que boa parte dos cientistas políticos não anteviram — mas é, também, sintoma de um país que se dividiu profundamente desde 2019, quando as ruas da capital Santiago entraram em convulsão social. As forças políticas se espatifaram e então se rearranjaram bem mais do que uma vez nos últimos dois anos, desfazendo e criando alianças que levassem a algum sentido ideológico e que ao mesmo tempo fossem ... (Leia mais)

12 de Novembro de 2021

Lira manobra para manter controle sobre verbas

Prezadas leitoras, caros leitores — Nesta segunda-feira, feriado nacional da Proclamação da República, Meio não circulará. Estaremos de volta na terça-feira, dia 16. Já no próximo dia 21, os chilenos vão às urnas para escolher seu novo presidente. E, nos últimos trinta dias, um político de extrema-direita até então pouco conhecido chamado José Antonio Kast saltou da quarta para a primeira posição nas pesquisas. Na última segunda-feira, a Câmara dos Deputados aprovou a abertura de processo de impeachment contra o atual presidente, Sebástian Piñera, que está a quatro meses de terminar seu segundo mandato. Há apenas alguns meses, em maio, os mesmos chilenos elegeram uma Assembleia Constituinte de esquerda, em grande parte composta por pessoas que nunca militaram na política partidária. Tendo começado há três meses, a Constituinte conta com parcos 30% de apoio popular. Não bastasse, ainda há tensão nas ruas e o temor de novas explosões sociais existe. ... (Leia mais)

11 de Novembro de 2021

Governo desobedece STF e toca emendas do relator

O governo parece não ter tomado conhecimento da liminar proibindo a execução de emendas do orçamento secreto, determinada na sexta-feira pela ministra Rosa Weber e mantida ontem pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo apurou a jornalista Marta Salomon, o Ministério do Desenvolvimento Regional manteve a liberação de R$ 5,4 milhões de reais no último dia 8, após a liminar, para a compra de pás carregadeiras, motoniveladoras e escavadeiras para municípios de dez estados diferentes. Nem as cidades beneficiadas nem os políticos que pediram a verba são identificados. (Piauí) Pois é... Terminou em 8 a 2 a votação no STF da liminar de Rosa Weber. Somente os ministros Gilmar Mendes e Nunes Marques foram contra o veto ao orçamento secreto. Embora reconheçam que falta transparência ao processo, os dois argumentaram que suspender os repasses prejudicaria políticas públicas. (UOL) Embora a tese de Gilmar não tenha vingado, o Congresso pensa ... (Leia mais)

10 de Novembro de 2021

Câmara aprova PEC que derruba teto

Numa vitória importante para o governo e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), os deputados aprovaram na noite de ontem, em segundo turno, a PEC dos Precatórios, abrindo uma folga de R$ 91,6 bilhões no Orçamento e viabilizando a concessão do Auxílio Brasil de R$ 400, uma das principais ferramentas do presidente Jair Bolsonaro em busca da reeleição. A proposta teve 323 votos a favor e 172 contra, uma margem mais folgada do que os 312 do primeiro turno. O texto aprovado adia o pagamento de precatórios, dívidas do governo que a Justiça ordenou pagar. O Planalto também venceu ao manter reajuste do teto de gastos pela inflação do ano anterior, mas viu rejeitada a proposta de estouro da regra de ouro, que impede o governo de se endividar para pagar despesas correntes, como salários. Agora o texto vai para o Senado, onde o presidente Jair Bolsonaro prevê dificuldades. ... (Leia mais)

9 de Novembro de 2021

STF já começou a decidir se derruba orçamento secreto

Já são três os votos, no Supremo Tribunal Federal, a favor da liminar da ministra Rosa Weber que suspendeu a execução das emendas do relator, o chamado ‘orçamento secreto’ controlado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Um é da própria Rosa e os outros de Cármen Lúcia e Luís Roberto Barroso. A votação passou a madrugada aberta no Plenário Eletrônico e vai até a meia-noite de quarta. São necessários mais três votos para que a medida seja mantida, e os ministros Alexandre Moraes e Ricardo Lewandowski são vistos como fiéis da balança. A questão é crucial para o governo porque o orçamento secreto é a grande ferramenta de barganha no Congresso: um dinheiro sem carimbo, destinado principalmente por Lira, a redutos de aliados sem que fique claro publicamente quem são os políticos agraciados. Temendo a derrota, uma ala do Supremo articula uma saída intermediária: as emendas seriam mantidas, mas ... (Leia mais)

8 de Novembro de 2021

STF pode desmontar articulação de Lira e Bolsonaro amanhã

A pessoa mais poderosa do país nesta segunda-feira é a ministra do STF Rosa Weber, em cujas mãos estão dois processos com potencial de desmantelar a articulação política do governo e afetar a campanha de Jair Bolsonaro pela reeleição: a legalidade do ‘orçamento secreto’ e da votação da PEC dos Precatórios. No início da noite de sexta-feira, ela determinou por liminar a suspensão de todos os pagamentos das chamadas ‘emendas do relator’, uma fatia do Orçamento executada anonimamente em áreas de interesse de políticos. É considerada hoje a principal ferramenta do governo para obtenção de apoio no Congresso e, na avaliação da ministra, fere o princípio constitucional da Transparência. (g1) Levantamento mostra que redutos de aliados do governo, em particular do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), foram privilegiados na liberação de emendas do orçamento secreto. (Globo) Painel: “Até o fim da noite deste domingo, o governo ainda não tinha ... (Leia mais)

6 de Novembro de 2021 | PREMIUM

Edicão de sábado: Barreiras culturais ao meio ambiente

No domingo passado, quando começou em Glasgow, na Escócia, a conferência da ONU sobre mudanças climáticas (COP26), a expectativa, ou melhor, a esperança mais otimista era que o Brasil não passasse muita vergonha. Afinal, o país chegava ao encontro na condição de vilão ambiental, numa inversão de papéis que, aliás, já havia sido tratada aqui mesmo no Meio. Ao contrário de praticamente todo o planeta, o Brasil aumentou em 9,5% suas emissões de carbono em 2020 e chegou a Glasgow propondo aumentar as emissões, não reduzi-las. Portanto, qual não foi a surpresa quando o país aderiu a dois acordos que vão na contramão de todas as políticas adotadas ao longo do governo Bolsonaro: a redução em 30% da emissão de metano até 2030 e a eliminação do desmatamento até o mesmo ano. É verdade que os acordos não preveem punições, e o de metano não estabelece metas por países. Mas ... (Leia mais)

5 de Novembro de 2021

Ciro ameaça deixar eleição se PDT não derrubar PEC dos Precatórios

Prezadas leitoras, caros leitores — O mundo inteiro — inclusive parte do governo brasileiro — foi pego de surpresa pela adesão do Brasil a dois acordos na conferência da ONU sobre mudanças climáticas, a COP26. Um prevê cortar em 30% as emissões globais de metano até 2030; o outro, acabar com o desmatamento e mesmo revertê-lo até a mesma data. O metano é um dos piores gases do efeito estufa, e 70% das emissões dele no Brasil vêm da pecuária — que também está associada ao desmatamento, tema do outro acordo. No papel, fica lindo. Mas o mundo real é diferente, especialmente se lembrarmos que essas metas vão na contramão da política ambiental do governo Bolsonaro desde seu primeiro dia. É possível cumprir os acordos? É, mas não é nem um pouco fácil. Não faltam no Brasil mesmo exemplos de agropecuária sustentável e mais lucrativa. Então por que esses modelos ... (Leia mais)

4 de Novembro de 2021

PEC de Bolsonaro contra o teto passa no primeiro teste

Foi apertado, mas o suficiente. Após intensas negociações e manobras comandadas pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), os deputados aprovaram por 312 votos a 144, em primeiro turno, a PEC dos Precatórios, que permite ao Executivo adiar o pagamento de dívidas transitadas em julgado. A medida libera cerca de R$ 90 bilhões do Orçamento e é crucial para tirar do papel o Auxílio Brasil de R$ 400 com o qual o governo quer substituir o Bolsa Família. O texto aprovado prevê, por exemplo, o parcelamento dos R$ 16 bilhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) previstos para o ano que vem, boa parte para abono a professores. Lira pretende fazer ainda hoje a votação dos destaques e do secundo turno para que a PEC siga para o Senado. (g1) A margem foi de somente quatro votos a mais que o ... (Leia mais)