14 de Maio de 2021

Bolsonaro ignorou 6 ofertas de vacinas, diz Pfizer

Prezadas leitoras, caros leitores — Quando se lista os líderes do movimento internacional de populismo autoritário à direita na imprensa, muitos são os nomes que frequentemente aparecem. Donald Trump, que já deixou o governo americano, assim como nosso Jair Bolsonaro. O húngaro Viktor Orbán, o polonês Andrzej Duda, o nicho religioso representado pelo turco Recep Erdogan e o indiano Narenda Modi. Mas um nome que quase nunca aparece neste conjunto é o israelense Benjamin Netanyahu. É uma gentileza que a imprensa presta, mas não a ciência política. Ele é frequentemente listado entre os responsáveis por aquilo que o professor Larry Diamond batizou ‘recessão democrática’. Ou como outro professor, Steven Levitsky, chamou de o caminho pelo qual ‘democracias morrem’. Em 2019, uma pesquisa de opinião revelou que 54% dos israelenses consideravam que a democracia do país corria um sério risco. Não mudou desde então. Como a maior parte destes líderes, Netanyahu ... (Leia mais)

13 de Maio de 2021

Wajngarten mente à CPI e é ameaçado de prisão

Mentiras, gravações, ameaças de prisão e até xingamentos para desviar a atenção. Houve de tudo na sessão da CPI da Pandemia que ouviu Fabio Wajngarten, ex-chefe da Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto. Bem longe do tom incisivo de sua entrevista a Veja, Wajngarten foi evasivo e procurou o tempo todo poupar Jair Bolsonaro. Ele negou ingerência do presidente e de seus filhos sobre a comunicação e que tenha havido campanhas negacionistas – apenas para ver as peças expostas pelos senadores. Diante das contradições do ex-chefe da Secom, o relator Renan Calheiros (MDB-AM) disse que ia pedir a gravações da entrevista, o que fez Veja divulgar o áudio, confirmando que Wajngarten atribuíra a demora na compra de vacinas à “incompetência no Ministério da Saúde”, à época comandado pelo general Eduardo Pazuello. Renan chegou a pedir que o depoente fosse preso por mentir à comissão, o que foi negado pelo ... (Leia mais)

12 de Maio de 2021

Diretor da Anvisa surpreende e defende ciência na CPI

Quando toda a CPI da Pandemia esperava que o depoimento hoje do ex-chefe da Secom Fabio Wajngarten fosse o mais bombástico da semana, o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, surpreendeu. Numa oitiva de seis horas, a mais curta até agora, ele respondeu de forma direta a todas as perguntas e repudiou praticamente todas as ações do governo federal até o momento. Ele se disse arrependido de ter participado de uma aglomeração com o presidente Jair Bolsonaro e condenou o uso de cloroquina. E mais, confirmou a informação dada por Henrique Mandetta de que rejeitou a alteração por decreto da bula da cloroquina para inclusão da Covid-19 entre as indicações. Por outro lado, negou pressões políticas para aprovação de vacinas e disse que os entraves à aprovação da russa Sputnik V são contornáveis. (Poder360) O depoimento de Barra Torres provocou constrangimento no Planalto, especialmente porque o diretor-presidente da Anvisa é ... (Leia mais)

11 de Maio de 2021

Anvisa suspende AstraZeneca para gestantes

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu uma nota técnica recomendando que a vacina AstraZeneca não seja aplicada em gestantes. A bula da vacina, lembra a agência, não inclui esse grupo entre o público. Segundo o Painel, o Ministério da Saúde investiga a morte de uma grávida que havia tomado o imunizante no Rio de Janeiro. O ministério já estuda suspender a vacinação de gestantes sem comorbidades. (Folha) A falta de insumos vindos da China deve atrasar o fornecimento da CoronaVac, importada e produzida pelo Instituto Butantan, em junho, segundo o presidente da instituição, Dimas Covas. O último lote de vacinas disponíveis, totalizando 2,1 milhões de doses, será entregue até sexta-feira. Depois, apenas com a chegada de mais material da China. (Poder360) A situação do Butantan é preocupante porque, até o momento, a CoronaVac responde por 74% das imunizações no país. (Veja) Segundo especialistas, o país precisa com urgência ... (Leia mais)

10 de Maio de 2021

Orçamento secreto financiou compras superfaturadas para parlamentares

Montado no final do ano passado para ampliação do apoio ao governo Bolsonaro no Congresso, um verdadeiro Orçamento paralelo de até R$ 3 bilhões está financiando principalmente a compra superfaturada de equipamentos agrícolas. Com especificações e destino estabelecidos por um grupo de parlamentares, os tratores e retroescavadeiras, entre outros veículos, chegam a custar 259% acima da tabela de referência do próprio governo, segundo o furo de reportagem do jornalista Breno Pires. Entre os beneficiários estão o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), e a atual ministra da Secretaria de Governo, a deputada Flávia Arruda (PL-DF). Este tipo de verba não deveria ter o destino estabelecido por parlamentares para seus redutos eleitorais e sim pelos ministérios, com critérios técnicos. Escamoteado como foi, também dificulta propositalmente a avaliação pelo Tribunal de Contas da União (TCU). (Estadão) Para políticos da oposição e especialistas, o “tratoraço” é ... (Leia mais)

8 de Maio de 2021 | PREMIUM

Edição de sábado: A aposta na polícia que mata

Na última quinta-feira, uma operação da Polícia Civil do Rio na favela do Jacarezinho terminou com 28 mortos – um policial e 27 “suspeitos”. Para o ministro do STF Edson Fachin, há indícios de execução arbitrária, e a PGR suspeita de desrespeito a uma ordem do Supremo contra ações desse tipo. Já o vice-presidente Hamilton Mourão se apressou em afirmar que os civis mortos “eram criminosos”. A questão é que a polícia fluminense nunca havia matado tantas pessoas de uma única vez, embora ações com a contagem de corpos na casa das dezenas sejam registradas há décadas. Desde 1998, uma pessoa morre nas mãos da polícia, em média, a cada dez horas. Isso é uma política de segurança? Mais, isso traz resultados positivos? Ambas as respostas são não, segundo Melina Risso, diretora de Programas do Instituto Igarapé, doutora em Administração Pública pela FGV e coautora de Segurança Pública para Virar ... (Leia mais)

7 de Maio de 2021

Operação policial termina em tragédia: 25 mortos no Rio

Prezadas leitoras, caros leitores — Quase dez horas de terror numa das maiores favelas do Rio de Janeiro, o Jacarezinho. Civis feridos dentro de casa e até em composições do metrô. Denúncias por parte dos moradores de abusos, negativas das forças de segurança, e no final um número trágico: 25 mortos, sendo um policial e 24 civis, tratados genericamente como “suspeitos”. A maior letalidade para uma única operação em toda a história da polícia fluminense. Para especialistas, um desastre; para o governador uma ação baseada na inteligência e nos protocolos. Como isso aconteceu? Não a operação em si. Como aconteceu de a polícia, especialmente no Rio de Janeiro, se tornar uma máquina tão letal que parece só ter para enfrentar a violência do crime com mais violência? Onde foi que erramos? Ou essa é a polícia que a sociedade quer, mas não admite? Em busca de respostas para essas perguntas, ... (Leia mais)

6 de Maio de 2021

EUA defendem quebra de patentes das vacinas

Numa mudança histórica de posição, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou ontem o apoio à suspensão das patentes de vacinas contra a Covid-19 para acelerar a produção de imunizantes em países em desenvolvimento. Índia e África do Sul apresentaram à Organização Mundial do Comércio (OMC) a proposta de suspensão temporária das patentes enquanto durar a pandemia, mas liderados até agora pelos EUA, os países ricos (e o Brasil) vinham barrando a iniciativa. (Folha) A nova posição dos EUA pode influenciar a União Europeia, que também era contra. A presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, admitiu rever o assunto sob a nova ótica. (New York Times) Essa e outras mudanças que Biden vem impondo fizeram o líder da minoria republicana no Senado, Mitch McConnell, prometer “dedicar-se 100% a parar” o governo democrata. Biden ironizou, dizendo já ter ouvido antes ameaças do senador por Kentucky e tê-las ... (Leia mais)

5 de Maio de 2021

Enquanto Mandetta abre CPI, Pazuello tenta escapar

Sem revelações bombásticas, mas descrevendo um roteiro detalhado do negacionismo que levou a omissão por parte do governo Jair Bolsonaro, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta depôs ontem durante sete horas à CPI da Pandemia. Ele disse acreditar que Bolsonaro recebia “aconselhamento paralelo”, pois quando parecia entender a gravidade da pandemia e a necessidade de medidas de distanciamento, mudava de opinião no dia seguinte. Segundo o ex-ministro, em uma das reuniões, chegou a ser apresentado o rascunho de um decreto para a Anvisa incluir a indicação de Covid na bula da Cloroquina, o que foi rejeitado pela agência. Mandetta disse ainda ter entregado uma carta a Bolsonaro, na presença de outros ministros, defendendo medidas como o isolamento social, mas foi ignorado. Perguntando sobre quem mais o atrapalhou, ele citou o ex-chanceler Ernesto Araújo, por seus atritos com a China, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, que classificou como ... (Leia mais)

4 de Maio de 2021

Ministro da Justiça insinua ameaça e vira alvo da CPI

Prezadas leitoras, caros leitores — O Meio realizará hoje à noite, às 19h, a segunda live em conjunto com o grupo Derrubando Muros para tentar desvendar a situação em que o Brasil se meteu. O tema da conversa é simples de enunciar mas tem tantas camadas que nenhuma resposta será trivial — e esperamos um bom debate. De onde veio o caminhão que atropelou a democracia? A conversa ocorrerá entre o cientista político Chrisian Lynch, do IESP-UERJ, e Marco Aurélio Ruediger, diretor de Análises de Políticas Públicas da FGV. Contará ainda com perguntas e comentários de Hussein Kalout, cientista político da Universidade de Harvard; João Carlos Brum Torres, professor de filosofia da Universidade de Caxias do Sul; e Ricardo Rangel, colunista da Veja. A mediação será de José Cesar Martins, coordenador do Derrubando Muros, e Pedro Doria, editor cá deste Meio. No YouTube, no Facebook. 19h. — Os editores Compartilhe ... (Leia mais)

3 de Maio de 2021

Planalto treina Pazuello para clima de guerra na CPI

Na próxima quarta-feira a CPI da Covid toma o depoimento do general Eduardo Pazuello, que, como ministro da Saúde entre maio de 2020 e março deste ano, foi o executor da política de Jair Bolsonaro no combate à pandemia. A preocupação do Executivo é grande, e o general passou o sábado sendo treinado por assessores do Planalto. Coordenada pela Casa Civil, a operação busca municiar Pazuello com dados para defender sua gestão e deixá-lo cascudo para resistir à pressão dos políticos experientes da comissão. (Globo) E vai ser preciso muito treinamento mesmo. A estratégia dos senadores será exaurir o general com um depoimento longo. Tanto que foi reservado um dia exclusivamente para ouvir o ex-ministro. Seus antecessores, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, vão falar na terça-feira, enquanto o atual ministro, Marcelo Queiroga, e o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, serão ouvidos na quinta. (CNN Brasil) Uma das muitas ... (Leia mais)

1 de Maio de 2021 | PREMIUM

Edição de Sábado: O Fim dos Sindicatos?

A diferença foi de dois para um — ninguém esperava tanto. Há duas semanas, os 1800 empregados de um centro de armazenamento da Amazon, no Alabama, votaram numa proporção de dois para um contra a ideia de formar um sindicato para defender seus interesses. O próprio novo presidente americano, Joe Biden, havia gravado um vídeo em defesa de sindicatos — a campanha foi imensa. “Não foi Wall Street que criou a América”, ele disse. “Foi a classe média. E sindicatos criaram a grande classe média.” Talvez. Mas os empregados não quiseram. Para a maioria, o salário base de US$ 15 a hora é o maior que já haviam recebido, o sólido seguro de saúde é um dos mais completos da região e, em sua maioria jovens, os trabalhadores tiveram dificuldade de enxergar num sindicato alguma vantagem. Não é, para o sindicalismo, uma derrota pequena. A Amazon é hoje o segundo ... (Leia mais)

30 de Abril de 2021

Um vazio de 400 mil vidas

Prezadas leitoras, caros leitores — Temos anunciante novo — é a Omie. É uma empresa da qual você ouvirá falar muito. Dizer que é uma startup que põe um dos melhores softwares de gestão de empresa da praça é pouco, porque o objetivo deles não é oferecer mais um programa para controlar estoque, vendas, emitir notas fiscais e tudo o mais. O objetivo é encontrar empresas que cresceram muito, aí empacaram e não conseguem passar do ponto em que estão. A missão é destravar o crescimento. Como sempre, cá no Meio, o anunciante não vem e põe um banner. Ele nos patrocina para produzir mais jornalismo. E, assim, começa a circular hoje, e sempre às sextas-feiras, a editoria Destrave Sua Gestão. Vamos falar não só de gestão, mas sobre como o digital, a pandemia, e as transformações gerais pelas quais estamos passando reinventam empresas. Mudam a maneira de pensar e ... (Leia mais)

29 de Abril de 2021

Em desespero, governo tenta tirar Renan da CPI via STF

Prezadas leitoras, caros leitores — Este próximo sábado cai num Primeiro de Maio, feriado em quase todo o mundo menos nos Estados Unidos. O que é curioso: foi por conta do confronto com inúmeras mortes entre operários e polícia na Praça Haymarket, em Chicago, em 1886. Eles cobravam uma carga horária diária que não passasse das oito horas. A luta por regras que determinassem dignidade no trabalho ainda demoraria algumas décadas, mas oito horas no máximo é a base do padrão internacional, hoje em dia. O trabalho, porém, está se transformando de formas drásticas e sutis. Ao mesmo tempo, sindicatos estão se enfraquecendo. O chão de fábrica cheio de operários que ganham o mesmo e trabalham lado a lado, tão importante no passado para união sindical, está deixando de existir com a entrada de robôs mais e mais sofisticados. Nos próximos anos, profissões que vão do caixa de supermercado ao ... (Leia mais)

28 de Abril de 2021

CPI abre e Renan pede punição por mortes

A CPI do Senado que vai investigar a atuação do governo federal durante a pandemia de Covid-19 começou a trabalhar nesta terça-feira impondo derrotas ao Executivo. A primeira delas foi a nomeação de Renan Calheiros (MDB-AL) para a relatoria, após o TRF-1 derrubar a liminar em primeira instância contra a medida obtida pela deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP). A outra foi a constatação de que há um traidor entre as fileiras na comissão. Embora quatro dos 11 integrantes da CPI sejam identificados como governistas e tenham discursado em defesa de Jair Bolsonaro, um deles votou no independente Omar Aziz (PSD-AM) para a presidência da comissão. (Estadão) Ciro Nogueira (PP-PI) admitiu ter sido o voto governista para Aziz, alegando que este prometeu se imparcial. (Jornal Nacional) Renan assumiu a relatoria com um discurso duro. Disse que não fará perseguições, mas afirmou que é preciso punir “imediata e emblematicamente” os responsáveis pelas ... (Leia mais)

27 de Abril de 2021

CPI da Covid começa hoje com Planalto na defensiva

A CPI no Senado que vai investigar a conduta do governo federal na pandemia começa a funcionar hoje em clima de guerra entre Legislativo e Executivo, via Judiciário. Um juiz de primeira instância do Distrito Federal, atendendo a pedido da deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP), determinou em liminar que Renan Calheiros (MDB-AL) não pode ser escolhido relator da comissão. Mas, com base em seu regimento interno, o Senado deve ignorar a decisão judicial. O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), soltou nota dizendo que a escolha do relator cabe ao presidente da CPI e não admite interferência de um juiz. (Globo) Coluna do Estadão: “Não durou muito a conversa de Jair Bolsonaro de que não teme a CPI. Qualquer que seja o desfecho da tentativa de afastar Renan Calheiros da relatoria, quem convive com o influente senador alagoano diz que ele já esperava a investida jurídica e se preparou para ... (Leia mais)

26 de Abril de 2021

Covid-19 matou mais em 4 meses que em 2020 inteiro

Abril ainda não terminou, mas o total de mortos por Covid-19 no Brasil este ano, 195.949, já supera os 194.976 óbitos de março a dezembro de 2020. No domingo foram confirmadas 1.316 vítimas fatais, levando o total a 390.925. A média móvel de mortes em sete dias, 2.498, caiu 20% em relação ao período anterior, o que indica tendência de queda e apresenta o maior recuo desde os -27% de 11 de novembro. Mesmo assim, abril já é o mês mais letal desde o início da pandemia em sete estados (ES, MG, MS, RJ, SP, AP e PI) e no Distrito Federal. (G1) No meio de toda essa tristeza, uma grande notícia. O município do Rio de Janeiro vacinou 94,1% dos idosos até este fim de semana, 4,1% acima da meta. O resultado foi que, nesse mesmo abril trágico, a cidade não registrou qualquer surto em instituições de longa permanência, ... (Leia mais)

24 de Abril de 2021 | PREMIUM

Edicão de sábado: Brasil e EUA trocam papéis na geopolítica ambiental

Nos últimos dois dias o Brasil sofreu uma grave humilhação diplomática. O presidente brasileiro foi o 19º a falar na Cúpula (virtual) do Clima. E, enquanto Jair Bolsonaro usava quase sete minutos para fazer promessas vagas e apresentar dados falsos ou distorcidos, a câmera mostrava a cadeira vazia do anfitrião do evento, o presidente americano Joe Biden. Tal situação é inimaginável para quem, há 29 anos, acompanhou a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio-92. Em meio a uma intensa crise política que deporia meses depois o presidente Fernando Collor, o Brasil – mais precisamente, o Rio de Janeiro – sediou um evento global e assumiu um papel de protagonismo no debate sobre meio ambiente e desenvolvimento sustentável. De um lado da mesa estavam países em desenvolvimento, cientistas e ONGs; do outro, o presidente dos Estados Unidos, George Bush (pai). Enfrentando uma dura – e no ... (Leia mais)

23 de Abril de 2021

EUA ouvem com ceticismo promessas de Bolsonaro

Prezadas leitoras, caros leitores — Um hipotético astronauta que deixasse a Terra no final de 1992 e regressasse esta semana acharia que estava no planeta errado ou até em um universo paralelo. Pelo menos em relação ao Meio Ambiente. O cenário geopolítico que ele deixou para trás mudou a ponto de ser quase irreconhecível. Em junho de 1992, o Rio de Janeiro sediou a segunda Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio-92. A despeito do clima de instabilidade interno — o presidente Fernando Collor sofreria um impeachment meses depois —, o evento foi notável e colocou o Brasil numa posição de destaque na agenda do planeta. O vilão da fita, por sua vez, era o presidente dos EUA, George Bush (pai). Enfrentando uma dura e no fim malsucedida campanha para a reeleição, ele apostou na imagem de defensor da poluidora indústria americana contra qualquer medida ... (Leia mais)

22 de Abril de 2021

Bolsonaro quer convencer mundo de que protege Amazônia

Embora o foco das críticas internacionais ao Brasil seja a política ambiental, o presidente Jair Bolsonaro deve levar hoje à Cúpula do Clima uma versão reciclada do discurso de quem executa essa mesma política, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Em seus três minutos de fala, Bolsonaro deve reafirmar, sem dar detalhes ou estratégias, a promessa de eliminar o desmatamento ilegal até 2030 que manifestou na carta enviada semana passada a Joe Biden, que convocou a cúpula. (Folha) Acontece que os Estados Unidos querem ação. Fontes do governo americano disseram ontem, embora seja nítido que haverá um esforço internacional para ajudar o Brasil, o país terá que avançar sozinho antes de terceiros se envolverem. (G1) Pois é... Em encontro virtual com empresários, Salles insistiu que o Brasil deve receber fundos para evitar o desmatamento. Ele quer, entre outros recursos, US$ 1 bilhão por créditos de carbono derivados da redução ... (Leia mais)